segunda-feira, 19 de setembro de 2016

A Importância de Uma Boa Noite de Sono

É inegável que uma noite mal dormida é capaz de nos arruinar um dia inteiro. E se forem várias noites mal dormidas, as consequências no nosso dia-a-dia são ainda piores.

A verdade é que o sono é bastante importante para a nossa saúde física e mental:
- Enquanto dormimos, para além de consumirmos menos energia (logo calorias), o nosso corpo repara-se e regenera-se. É libertada no organismo uma hormona que ajuda os ossos, os músculos e outros tecidos a regenerarem-se. 
- Para além disso, é durante o sono que o nosso cérebro se limpa dos resíduos tóxicos (através do sistema linfático) e fixa as informações acumuladas durante o dia. É também durante o sono que ele se regenera e que compila e organiza toda a informação que se foi recolhendo.
- Enquanto estamos acordados o corpo vai produzindo hormonas de stress (cortisol e adrenalina) e se não dormirmos o tempo suficiente, estamos a sobrecarregar o funcionamento do nosso coração.
- E o "sono de beleza" não é um mito, pois é durante o descanso nocturno que as células da pele se rejuvenescem (através da produção da melatonina) e assim as rugas de expressão atenuam-se.


Eu sempre fui dorminhoca, preciso mesmo de 8 horas de sono diárias, bem dormidas, sem sonhos e interrupções, para conseguir estar no pleno das minhas capacidades. E embora haja uma ou outra pessoa que tem essa incrível capacidade de conseguir funcionar bem e com sucesso com apenas 4 ou 5 horas de sono diárias, isso NÃO é o normal.

Mas a verdade é que eu vejo que cada vez mais pessoas a dormirem cada vez menos diariamente.

Eu antes achava espectacular ver como é que uma pessoa conseguia dormir 6 horas por noite e ainda assim conseguir trabalhar, ter hobbies, cuidar dos filhos e ter tempo para sair e passear. Confesso que ficava com uma pontinha de inveja desssas pessoas tão energéticas, que conseguiam fazer tanto e dormir tão pouco, quando eu só funciono a 100% com OITO horas diárias bem dormidas.

Com o tempo cheguei à conclusão que essas pessoas não são naturalmente assim tão energéticas e que a maioria anda "rota" de cansaço e só se aguentam porque andam todo o dia (e muitas vezes, noite) tocadas a cafeína. O que é certo é que a pressão actual para o sucesso e se estar em todas, faz com que as pessoas sacrifiquem um das coisas mais importantes para a saúde do nosso corpo e da nossa mente: as horas tão necessárias de sono.

Apesar de a curto prazo se conseguir (sobre)viver com poucas horas de sono dormidas e compensando com cafeína e outras substâncias energéticas, a médio e a longo prazo esse comportamento traz consequências que podem ser terríveis.

Entre outras consequências, a privação das horas necessárias de sono traz falhas de memória, alterações de humor, desregulação do apetite, pele cansada, perda da capacidade de tomar decisões ponderadas, perda da capacidade de planeamento, diminuição da capacidade de regeneração do corpo, aumento das inflamações e debilitação do sistema imunitário geral, entre outros.

Logo, a médio e longo prazo, fica-se mais susceptível a ter acidentes (por falta de concentração e foco), a alterações emocionais, a sofrer de ansiedade, diabetes, alzheimer, demência, problemas cardíacos, obesidade, só para falar em algumas consequências nefastas, porque a lista é bem maior! E nas crianças, a falta das horas necessárias de sono levam a problemas no crescimento, a dificuldades de concentração, na escola e até no relacionamento com os outros. 


Eu consigo perceber quando o meu corpo reclama e precisa de mais tempo de sono. Agora, por exemplo, que ando a treinar (correr) mais do que o habitual (para uma prova de 10 Km) e que coincide com o início dos trabalhos na horta e com outras tarefas mais físicas (como cortar e arrumar lenha para o Inverno), tenho obrigatoriamente que dormir mais. Não posso saltar as oito horas de sono, e estas têm que ser seguidas. Os meus músculos pedem e eu tenho que obedecer. Senão o que acontece é que as pequenas lesões de esforço que vou fazendo não se curam e arrisco-me a ter sérias complicações. 

Eu vou continuar a ser dorminhoca o suficiente, para que a minha saúde, o meu corpo e a minha mente não se ressintam. Mas tenham atenção que dormir demais também faz mal e que o sono deve ser seguido, para o corpo poder passar por todas as fases do sono necessárias. Dormir sonecas no sofá em vez de ir para a cama, contam para pouco em questões de saúde.

E vocês, quantas horas é que vocês dormem por dia?

Boa noite, desta vez sem sonhos.

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Sustentabilidade e Redes Sociais

Quando comecei a pensar em levar o "Ecológica, quem? Eu?" para as redes sociais, várias questões foram surgindo na minha cabeça. A maioria delas ligada à questão de poder ser contraditório escrever sobre sustentabilidade, natureza, slow-living, ambiente (entre outros temas do género) e ir-me ligar às redes sociais, que são, muitas vezes, o baluarte e o principal exemplo de tudo o que critico na nossa sociedade actual.

E andei neste vai não vai, inscrevo-me não me inscrevo, divulgo não divulgo, durante uns meses. A verdade é que as redes sociais já são parte da nossa sociedade e, para o melhor e para o pior, elas vieram para ficar. E já estão bem enraizadas.

Se eu critico o facto de as pessoas andarem sempre com o telemóvel "agarrado", de não se conseguirem desligar das "selfies", de perderam tempo a ver a falsa felicidade dos outros e de ficarem deprimidos por causa disso, ao invés de lerem um livro, fazerem um piquenique com a família e/ou os amigos ou passarem um bom bocado na horta ou com um animal de estimação? Sim.
Se critico a selvajaria virtual das pessoas, a que se assiste quando acontece alguma coisa negativa, e o desregramento e falta de contenção nas opiniões e desinformação? Sim.
Se critico as pessoas que muito "teclam" e "postam" mas que na verdade pouco fazem e normalmente são Madres Teresa de Sofá (pois pôr a mão na massa e tomar atitudes reais para que a vida de todos seja melhor dá trabalho)? Sim.

Mas também penso que isso não é culpa das redes sociais, não totalmente. A culpa é das pessoas. Da forma como se deixam envolver e do desconhecimento. Da forma como a nossa sociedade está estruturada e o que é consensualmente aceite como sendo "a felicidade".

Se eu posso escolher desconectar-me totalmente e continuar a fazer o que faço, fazendo a minha parte (e às vezes a dos outros também)? Sim, posso.
Se eu posso ficar sossegada no meu canto a fazer as minhas coisas, horta, contemplação da natureza, vida saudável, procurar comércio justo e fazendo o mais que posso, sem entrar no consumismo maluco e sem fazer publicidade disso? Sim, posso.
Se eu posso isolar-me nos meus processos do que eu acho correcto, justo e sustentável e não mostrar, exemplificar, divulgar e nem me chatear com os disparates que os outros fazem? Sim, posso.

Mas, depois de muito reflectir, cheguei à conclusão que isso não era correcto. Por muito que a maioria do tempo eu esteja cansada da sociedade actual e prefira o isolamento, se eu tenho uma hipótese de divulgação das minhas ideias, devo aproveitá-la. Pois se existem estas plataformas de divulgação, elas devem ser usadas para o bem comum. Não seria apenas egoísta da minha parte guardar informação e conhecimento apenas para mim?
Além disso, muitas vezes vejo ou leio algo digno de partilha e que não se enquadra no formato que eu tenho aqui no blogue.  Assim, posso mais facilmente partilhar conteúdos e partilhar mais de mim e das minhas coisas e (quem sabe?) até ser um exemplo, para que cada vez mais e mais pessoas abracem um estilo de vida sustentável.

Conclusão: juntei-me a "eles" e para além deste meu/vosso espaço habitual, podem me encontrar nas várias redes sociais, cada uma com a sua especificidade.

Google + :
O espaço onde nós, bloggers do Blogger, nos reunimos em círculos e espreitamos as novidades dos blogues que gostamos de seguir e ler.
https://plus.google.com/u/0/106375204044090390508
Pinterest :
Onde guardo inspirações, receitas, truques para a horta, ideias de reciclagem, upcycling e muito mais.
https://pt.pinterest.com/cathenriques

Facebook :
Página do blogue e espaço de partilha de notícias, eventos, bons exemplos de sustentabilidade, modos de vida inspiradores, sugestões de passeios, entre outros.

https://www.facebook.com/ecologicaquemeu/

Instagram :
Achados, paisagens lindas, novidades da horta, curiosidades, animais, água, tudo isto em imagens em forma de fotos.
https://www.instagram.com/ecologica_quem_eu/

Se sentirem essa curiosidade, cliquem nas imagens e vejam o que se passa por lá. Mas atenção! Estes são espaços de divulgação, apenas para preencher lacunas que não consigo preencher aqui no blogue. Este é e será sempre o meu espaço especial e principal.

Boa quarta-feira e bem-vindo Setembro!
(Está quase a chegar o Outono! Que bom!!)

(Imagens dos logotipos retiradas daqui: G+, Pinterest, Facebook, Instagram)

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Alfazema aos Molhos!

A Alfazema, também chamada de lavanda ou lavândula, cresce um pouco por todo o lado, em Portugal. Aqui nesta zona é habitual vê-la nos jardins e hortas e o Verão é a altura da sua floração.


Quando plantada na horta, vai atrair insectos polinizadores e afastar roedores, tais como ratos e ratazanas. Está no topo da lista de plantas a colocar na minha horta (detesto ratos!).

E não é só na horta que a Alfazema afasta "bichos": pode (e deve) ser usada em casa, pois é muito eficaz para afastar naturalmente traças da roupa e, além disso, ainda perfuma as gavetas e armários.

Mas as propriedades da Alfazema não ficam por aqui: o seu óleo essencial é usado como anti-séptico, tónico, anti-espasmódico e regenerador da pele. É também usada no tratamento de ansiedade, insónias, falta de apetite, agitação, angústia e outras enfermidades do género. Tanto é usado o seu óleo essencial, como partes da planta seca (principalmente em infusão e banhos relaxantes).

Na culinária usam-se as flores secas para aromatizar açúcar, doces, biscoitos, compotas e sobremesas. O mel produzido a partir das flores de Alfazema é considerado um mel de qualidade superior.

Eu gosto de ter um saquinho na gaveta da roupa de cama, pois o seu aroma relaxante transfere-se para os lençóis e fronhas, melhorando a qualidade do meu sono.



No final de Julho apanhei um bom molho de flores de Alfazema. Coloquei a secar e vou fazer "rocas" de Alfazema, para perfumar as minhas gavetas. 


Para colocar a secar basta separar as hastes em pequenos molhos, atar com fio ou fita e colocar virado para baixo uns dias. Como o seu aroma tem propriedades relaxantes e calmantes, decidi colocar os ramos a secar no quarto, mesmo acima da cabeceira da cama.

Agora que já as hastes já secaram um pouco, é tempo de fazer as "rocas" cheirosas, relaxantes e insecticidas. Fiz um passo-a-passo com fotografias, para explicar mais facilmente o processo.


Limpar várias hastes da planta das flores e ramos em excesso e juntar num raminho. Atar com fio, fita ou ráfia, 1 ou 2cm abaixo das flores. 

Virar as hastes para cima das flores de forma a fazer uma espécie de gaiola.



Voltar a atar em baixo. 



Fazer novo processo de "engaiolamento" das flores. 


Se alguma haste se partir, usar o fio para segurá-la na forma.

Atar novamente, em cima e em baixo e cortar as pontas das hastes.
E já está! É fácil, não é? 

Aproveito ainda as flores que sobraram do desbaste das hastes usadas nas rocas e coloco-as em sacos de tecido.


Deixo-vos ainda outras sugestões interessantes de como utilizar Alfazema (é só clicar nos links abaixo):

- Açúcar de Alfazema


- Hidratante Natural de Alfazema

Boa quinta-feira e bons sonhos :)


quarta-feira, 3 de agosto de 2016

A Horta de Agosto (2016)

O Verão tardou, mas agora que chegou, veio com o calor em força. Veio até com força demais, pois parece que o passado mês de Julho foi o segundo mais quente que há registo, desde 1931!

E com isto a horta ressente-se: temos que regar mais vezes e há culturas que não desenvolvem o esperado. Os pepinos, apesar de terem começado bem, agora praticamente desapareceram e os pimentos continuam muito enfezados.

Mas nem tudo é mau, muito pelo contrário! A época oficial do tomate já começou para estes lados e dia sim, dia não, tenho colhido dos ditos. Apanho-os ainda não totalmente maduros e como são dos "verdadeiros", não noto acidez no sabor. 


Eu só gosto mesmo do sabor do tomate nesta época, que é a altura dele. E têm que ser tomates "da horta", para terem aquele sabor característico, às vezes até levemente adocicado (como o do tomate coração maduro). Decididamente tomates do supermercado não são para mim :)


O feijão verde, esse continua a dar. Já vem com menos força e as vagens são mais curtinhas, mas todos os dias apanho um punhado delas. E não é que alguns feijoeiros ainda estão a dar flor? A continuar assim vamos ter feijão verde até Setembro, haja água para a rega.


O feijão seco está quase no ponto para ser todos apanhado. Até já fui apanhando algum que foi secando mais cedo. Agora é só descascar e guardar num local fresco e seco.
O meu truque para que não apanhe "bicho" (como se diz por aqui) e que se conserve durante mais tempo, é colocar o feijão seco já descascado dentro de um saco, levar ao congelador uns dias e depois tirar e acondicionar como de costume. Dizem os entendidos que mata o bicho do feijão.
E eu confirmo, acaba-se o feijão esburacado.

As courgetes (abobrinhas) floriram bastante, mas deram pouco até agora. Resolvi insistir e aumentar a rega e deu resultado. A courgete da foto abaixo já está no frigorífico, à espera de uma receita diferente, daqui.  


Aumentei também a rega das melancias e dos melões. Mas se nas melancias se nota a diferença, nos melões nem por isso. Para já só estão a dar folhas e umas florinhas que ainda não deram frutos :(

A salsa agora é que está em força e eu que adoro, agradeço à mãe Natureza :) Confiram aqui os benefícios desta bela erva aromática.

Os coentros já espigaram todos e até já apanhei e guardei a semente, tanto para usar na próxima sementeira, como para usar na cozinha, nalguns pratos com sabores mais asiáticos.

As beterrabas também já estão com um tamanho mais razoável e já usei algumas na sopa. 
Eu gosto de comer sopa todo o ano, não dispenso mesmo no tempo quente. Não troco sopa por salada de alface, pois é uma forma maravilhosa de ingerir os nutrientes necessários a uma vida saudável, de uma vez só. Às vezes até ponho alface na sopa, antes de a passar. Assim como na mesma a alface e os restantes legumes. Fica uma sopa-salada :)
E vocês, preferem sopa ou salada?

Boa quarta-feira!

quinta-feira, 21 de julho de 2016

7 Dicas Para Que Roupa Dure Mais Tempo - Parte 1

Como devem imaginar, eu não compro muita roupa. 
Tenho uma espécie de armário-cápsula para cada estação e normalmente só compro algo quando preciso. 
Por exemplo, agora ando à procura de um vestido de Verão versátil. Neste momento só tenho um e não dá para todas as ocasiões. Com esta aquisição irei substituir uma saia comprida que já tinha há quase 20 anos (lembro-me de a ter usado quando andava a tirar o curso na Guarda!...) e que se começou a rasgar na última sexta-feira. Gostava muito da saia comprida, mas por uma questão de versatilidade irei apostar agora num vestido.

Sim, na minha mão, geralmente as peças de roupa (e também calçado) duram bastantes anos. E não é guardadas no armário, eu uso a roupa :) 

Caso se estejam a perguntar se tenho algum poder mágico ou se fiz alguma magia de conservação nas peças, lamento desiludir-vos mas não. Que eu saiba não há nenhuma fórmula mágica que impeça a roupa de ficar com aquele aspecto velho, descolorida, coçada e com borbotos.

Mas há alguns truques e cuidados que se podem ter, que atrasam o inevitável e que fazem com que se conserve o aspecto novo da roupa, durante mais tempo.
Irei partilhar com vocês o que costumo fazer para que a minha roupa dure mais, com melhor aspecto. 

Para ajudar à explicação de como e porquê destas dicas darem resultado, pesquisei em vários sites e fontes. Por uma questão de simplificação, resumi a lista às 7 dicas que eu acho mais importantes e fiz uma lista resumida (última imagem) para ser mais fácil memorizar e partilhar. 
Para não ser tão maçador, focarei hoje as três primeiras dicas e numa próxima vez terminarei a explicação das restantes quatro.

(imagem adaptada de uma foto daqui)

1. APOSTE EM TECIDOS DE QUALIDADE:

Vamos começar pelo início. Os tecidos de qualidade duram mais, é lógico. 
Mas na hora da compra, quem é que olha para a etiqueta para ver de que tecido é feito a peça de roupa que estamos a escolher? Eu vejo, porque não quero desperdiçar dinheiro numa peça que depois de 3 lavagens fica com um aspecto horroroso. 
Existem 3 tipos de fibras: as naturais (lã, algodão, seda e linho), as sintéticas (poliéster, acrílico) e as artificiais (viscose, acetato, modal). As fibras que têm maior durabilidade são as naturais e logo a seguir as artificiais. Aconselho a fugir das peças de composição sintética, pois desgastam mais facilmente e agarram mau cheiro mais rapidamente.
Para melhor compreender os diferentes tipos de tecido e as suas características aconselho a leitura deste artigo da Ana, pois é um guia bastante completo e bem explicativo de em quais tecidos se deve apostar e porquê.

2.  LEIA E SIGA AS INSTRUÇÕES DE LAVAGEM:

Parece que estou a apontar para o óbvio, mas na verdade quem é que lê as instruções de lavagem de TODAS as peças de roupa, antes de as meter na máquina? E quantas vezes é que é que cortamos as etiquetas porque são grandes demais ou porque nos fazem comichão? Pois.
Para melhor gerir as diferentes necessidades de lavagem e evitar confusões futuras quando cortam as etiquetas, proponho que criem um quadro ou tabela (pode ser escrito à mão) e que o coloquem na zona onde lavam a roupa ou no armário onde a guardam. Tem-se esse trabalho inicial, mas depois poupa-se tempo e, mais importante, "desastres" com a roupa. 
Se não acharem necessário estar a tomar nota das instruções de lavagem de todas as peças de roupa que têm, façam como eu: na minha tabela só anotei as instruções daquelas peças que têm que ter um tratamento mais cuidado (lavagem à mão, temperatura baixa, sem centrifugação...). E resulta!

3. EVITEM AS TEMPERATURAS ALTAS NA LAVAGEM:

Para quem não quer estar a seguir a dica anterior, esta terceira dica acaba por evitar aquelas surpresas indesejáveis de quando se lava uma peça acima da temperatura correcta. 
Não há assim tantos tecidos e cores que aguentem lavagens constantes a alta temperatura, sem se deformar ou perder a cor. Mas a maioria das vezes basta uma lavagem a uma temperatura alta demais, para arruinar uma peça de roupa. 
Lãs, sedas e tecidos sintéticos têm nas altas temperaturas inimigos mortais, pois encolhem, deformam e ganham borbotos (aquelas bolinhas chatas e feias).  
Para evitar isso o melhor é escolher lavar sempre a temperaturas de 40º C ou menos. Para nódoas difíceis ou roupas muito sujas é preferível fazer pré-tratamentos ou outro tipo de lavagens. Noutra altura falarei sobre os tipos de pré-tratamento da roupa que faço, versão ecológica, claro :)
Além disso, reduzir a temperatura na máquina da roupa é mais ecológico. Poupa-se energia e dinheiro na factura da electricidade.



E estas foram as dicas de hoje. Brevemente trarei a explicação das outras quatro.

Boa quinta-feira!

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Mirtilos e Gentileza Gera Riqueza

Enquanto os melões e as melancias da horta não chegam, a fruta de eleição deste Verão tem sido o Mirtilo. A pequena e deliciosa baga azul arroxeada, rica em antioxidantes e muitos outros nutrientes*, tem sido a fruta mais consumida nesta última semana, por estes lados.

(Mirtilos do lanche)


Eu conto. Foi na semana passada, que a minha mãe foi ao mercado municipal e me trouxe uma caixinha de mirtilos. Ela sabe que eu gosto e sabe também que faz bem na prevenção das cistites, problema chatérrimo que eu sofro desde bem pequena (falarei melhor sobre isto noutra altura)

Quando recebi a caixa, detectei uma pequena anomalia na embalagem, que em nada implicava na conservação ou frescura das bagas. Mas decidi comunicar à empresa essa anomalia, por uma questão de consciência. E assim fiz. Enviei uma mensagem privada na página de Facebook da empresa, com uma foto da embalagem, a alertar para a situação.

Eles foram muito simpáticos, agradeceram muito o reparo e foram verificar as outras embalagens nos pontos de venda. A minha afinal era a única que tinha aquela situação. Não tinham que me dar essa informação, mas como cliente até gostei de saber o seguimento do processo.

Mas o que aconteceu a seguir é que foi absolutamente surpreendente e inesperado. No final desse dia, já tarde, tinha uma mensagem a dizer que me queriam agradecer a informação, com uma caixa de mirtilos! Tive que ler novamente a mensagem, pois nos dias que correm, onde é que uma empresa faz isto?
Não posso negar, fiquei super-contente e orgulhosa de ter perto de mim uma empresa que reconhece que gentileza gera riqueza e que não se preocupa só com o lucro. Eu, que até já era cliente, fiquei fã. Para além de produtores biológicos, com produtos deliciosos, são simpáticos e gentis. Ainda há esperança no mundo!

Mas não acabou por aqui, pois quando fui buscar a caixa de presente ao mercado municipal, vi que não me tinham deixado uma mas sim DUAS caixas. Fiquei sem palavras. Ainda disse à senhora que tinha guardado a encomenda, que devia haver algum engano, mas ela disse que não. 

(as duas caixas)

Conclusão disto tudo: afinal, sempre compensa fazer boas acções e aqueles mirtilos são definitivamente os melhores do Mundo!

Boa semana!

*Nutrientes do Mirtilo: é rico em vitaminas A, B, C e diversos sais minerais, como cálcio, cobre, ferro, fósforo, magnésio, manganês, potássio, selénio e zinco. A pequena baga tem também pectina e taninos, bem como ácidos málico, cítrico e tartárico e é rica em fibra.

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Sugestão de Fim de Semana - Eco Porto e mais

O fim de semana está à porta e hoje trago uma sugestão para quem vive mais para o Norte do país. No próximo domingo dia 19 de Junho, no Jardim Botânico do Porto que irá acontecer o Eco Porto, iniciativa organizada pela Alfaia Officinalis.

O Eco Porto será um evento que promove a ecologia e a sustentabilidade e que irá reunir num só espaço artesãos, formadores, produtores de produtos biológicos, artistas e associações que se enquadrem neste espírito ecológico. Este evento tem como principais objectivos a consciencialização dos temas da ecologia e sustentabilidade ao público em geral, bem como a criação de pontes e ligações entre todos, sem esquecer a diversão, claro. A entrada no espaço é gratuita, embora hajam algumas actividades que são pagas.


Pelo que tenho acompanhado, está-se tudo a compor para ser um evento bem interessante e movimentado. No Eco Porto irão realizar-se várias actividades, de diferentes temáticas. É mesmo à escolha do freguês, ora vejam:
- Técnicas de Impressão com Elementos Naturais;
- Oficina de Chucrute;
- Aula Aberta de Capoeira;
- Performance Teatral "Aceitas?";
- Oficina de produtos de limpeza e cuidado corporal;
- Concertos vários;
- Mercado de Produtos Biológicos;
e muito mais.
Para saberem mais sobre este evento, acompanhem as novidades na página do evento aqui. Ou então, passem no próximo dia 19 de Junho no Jardim Botânico do Porto e vejam o que estará a acontecer por lá :)
*    *    *
 
No domingo seguinte (26 de Junho), em Tondela - Viseu vai haver mais uma edição da Caminhada Ecológica, organizada pelo Centro Municipal de Marcha e Corrida de Tondela.

Será um domingo em cheio, com direito a caminhada, piquenique, testes de saúde gratuitos, dança, hidroginástica e muita diversão. Para quem quiser ir, apesar de ser gratuito, terá que fazer uma inscrição prévia aqui.

Para saber mais sobre esta iniciativa, acompanhe tudo aqui.

 *    *    *

Já eu, neste fim de semana, vou aproveitar para dar um salto à horta e apanhar mais feijão verde (e o que houver mais). Depois das ervilhas, o que está a dar agora na horta é feijão verde, muito, muito. Não me canso de dizer, quando trabalhamos em conjunto com ela, a Natureza consegue ser muito generosa :)
E por isso mesmo, vou aproveitar os frutos dessa generosidade e partilhar com a família. O resto irei congelar,  para ter feijão verde do bom ainda durante mais alguns meses. Mas aceito sugestões, para aproveitar tanto feijão.

E vocês, o que vão fazer no fim de semana?

Bom fim de semana!