quarta-feira, 21 de outubro de 2015

O que é SPA - Síndrome do Pensamento Acelerado

Já há algum tempo que ando para falar aqui de Mindfulness, que é um tema que me interessa bastante e com o qual me identifico, pois tem a ver com equilíbrio e "despoluição", neste caso, da nossa mente. Mas antes de falar desse tema, tenho que ir mais atrás e começar pelo início. 
Assim, irei falar hoje sobre o  SPA - Síndrome do Pensamento Acelerado e tentar explicar o que é.

A primeira vez que me deparei com este conceito foi a folhear um livro de Augusto Cury, onde ele fala sobre um dos males que assolam este nosso mundo moderno e "evoluído", a ansiedade. Na verdade, acabei por (também) não comprar o livro deste autor, mas ao ler o que era SPA, relacionei-me com o conceito. Foi então que decidi falar sobre a despoluição da mente, aqui no blogue, e sobre as minhas experiências em relação a isto tudo.

Mas vamos começar pelo início: O que é afinal o Síndrome do Pensamento Acelerado?
Como o próprio nome indica, é quando a nossa mente anda constantemente inundada de pensamentos, sempre acelerada ao limite, levando ao desgaste emocional. Isto advém do excesso de informação, estímulos e actividades a que o nosso cérebro é exposto diariamente. Parece que o nosso cortéx cerebral não gosta deste excesso de informação e transforma-se numa mente "hiper pensante, agitada, pouco tolerante, impaciente e sem criatividade." 
 
Isto soa-vos familiar?
Queremos fazer tudo, ter tudo, ler tudo, conhecer tudo, ir a tudo, e a televisão, os medias, as redes sociais e até a própria sociedade (emprego, amigos, família...) contribuem para isso. E nós tontinhos, vamos na cantiga... 

Mas a verdade é que nós não fomos feitos para esta agitação toda. A nossa mente não aguenta e o nosso corpo também não. Já diziam os antigos: "Quem muitos burros toca, algum há-de deixar para trás".


Estes são alguns dos sintomas identificados do SPA:
- distúrbios do sono;
- agitação;
- impaciência constante;
- irritabilidade;
- falta de memória;
- constante procura de estímulos (p.ex: nas redes sociais);
- fadiga excessiva;
- flutuação de humor;
- constante sensação de cansaço, ao acordar;
- inquietação geral;
- dores de cabeça e musculares;
- queda de cabelo;
- gastrites;
 
Segundo o autor, este Síndrome assola à volta de 80% da população mundial e, quando se entra no tema, consegue-se perceber que é um número que pode ser bem real. Como ele próprio diz: "Pensar é bom, pensar com lucidez é ótimo, porém pensar demais é uma bomba contra a saúde psíquica, o prazer de viver e a criatividade."

Falando da minha experiência pessoal, em relação ao SPA, é como dizem os americanos: "been there, done that". Na verdade, já sofri muito disto e, por vezes, ainda sofro. Também sei que não sou a única a sentir-me assim, pois passeando nalguns blogues, trocando comentários com outros autores, com amigos e familiares, cheguei à conclusão que é um "mal" bastante generalizado.

Mas, o que se pode fazer para combater isto? Várias coisas, mas para mim a mais importante é tomar consciência. A partir do momento que se toma consciência, que se identifica que há um problema e que se quer resolver esse problema, a solução fica mais perto.

A "limpeza" da (minha) mente do frenesim actual e distinguir o que é necessário do que é acessório, são também passos importantes na conquista do (meu) equilíbrio. Mas isto já é assunto para outro dia :)

E vocês, sofrem de SPA? Já conheciam o conceito? 

Para mais informações sobre o tema, vejam aqui.

19 comentários:

Simone Felic disse...

Este mundo de hoje é uma torrente de informações que temos de dar conta ou deixar pra lá e fazer o que damos conta se nos deixarmos levar a ansiedade vem.
beijinhos

http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

Joao Antonio Ventura disse...

Não conhecia o conceito, obrigado por comentá-lo no seu blog. Creio que também ando meio assim ultimamente. Abraços.

Andreia Morais disse...

Não conhecia o conceito, obrigada pela partilha!

Bella disse...

Eu acho que é porque as pessoas não sabem mais as suas prioridades. O mundo trocou o certo pelo errado e a verdade pela mentira.

As pessoas não têm mais valores morais; muito pelo contrário, é maria vai com as outras. Não sabem mais definir objectivos e saber o que vem em primeiro.

Colocam o trabalho e os "amigos" à frente da família. Espetam com os pais nos lares e os filhos nos infantários e tudo por causa de uma mixórdia de emprego que nem dá para pagar a renda quanto mais a comida. Como é mais importante comprar telemoveis de 500€ colocam lixo na mesa para os pobres filhos comerem. Depois crescem em delinquentes e perguntam o que correu mal.

Ó gente, abrem os olhos pô!

bjs

Catarina disse...

Sem dúvida um excelente post para reflectir.
A ansiedade e eu sempre tivemos uma relação muito própria, e um dos meus objectivos tem mesmo sido lutar contra ela. Aos poucos vou seguindo o caminho certo, e sinto que já melhorei bastante. Ainda assim tenho consciência que o caminho é bem longo e tenho muito que caminhar! Mas estou disposta a isso mesmo sabendo que vão haver dias em que me vou sentindo mais cansada!!
Beijinhos**

Ex Não Vaidosa disse...

Saudações Catarina! Eu costumava estar com esse problema! Achava que ue tinha de abraçar tudo.. mas fui a uma terapeuta especializada em varias técnicas para traumas, melhorei e hoje em dia consigo desligar dessas "obrigações"!
Nós somos pressionados a sermos que não queremos ser! Fazer o que não queremos fazer! Precisamos aprender que nem tudo que seja bom para o outro, é bom para nós mesmos! Beijos e abraços

Crocheteando...momentos! disse...

Um síndrome que deixa qualquer um...de rastos! Importa estar atento aos sinais e oedir ajuda se necessário! Felizmente que ao mínimo sinal consigo dar a volta!
Relativamente às golas... Experimente pois são mais aconchegantes ao pescoço e resultam com algumas roupas! Eu sou viciada em golas e baktus! Bj e apareça sempre que puder!

Sandra Oliveira disse...

Um tema muito interessante Catarina :)
Nos dias de hoje, acho que uma grande parte sofre desse síndroma, que desconhecia o nome, mas acho que consigo identificar-me de alguma forma.
Já tomei consciência e agora estou a tentar tomar medidas ;)
Obrigado pela informação, é sempre útil ;)

Inês Silva disse...

adorei o post! super informativo :)

www.pinkie-love-forever.blogspot.com

Andreia Morais disse...

r: Sim, tem mesmo muita coisa para ver, aquilo é só uma amostra :) Partilho!
Obrigada e igualmente*

CÉU disse...

Olá, Catarina!

Estás bem? Síndroma em pousio?

Pois, já conhecia este comportamento, pke fiz dois anos de Psicologia e sabia os sintomas, pelo menos os mais notórios.
Não sofro dele, nem um bocadinho, aliás, nunca sofri. Não faço nada, apressadamente, nem pretendo abarcar o "mundo". Faço uma coisa de cada vez, e elaboro um esquema mental do k pretendo fazer no dia. Como são poucas coisas, k defino, consigo sempre ficar a relaxar, ouvir música, escrever, etc. O meu telemóvel está desligado quase todo o dia, e o fixo, qdo, raramente, toca, vejo no visor o número e só atendo, se me apetecer. Portanto, sou assim. Tive uma gastrite qdo tinha os meus 18/20 anos, pke estive em casa de uma tia minha, uns mezinhos, devido à proximidade da Faculdade, mas não me sentia à vontade. Voltei para casa dos meus pais, e a gastrite foi-se.

Detesto correrias, k observo, logo de manhã. Mãe/pai deixam filhos na escola, vão tomar o pequeno almoço em pé (em casa dá mto trabalho e nem pão tem, logo de manhã. Enfim, nem comento!), tomam pra rematar a bica, saem quase a correr da pastelaria, atendem ou fazem uma chamada do telemóvel, acendem um cigarro, acionam o comando para que a porta do carro se abra e atiram com a mala e outras coisas para o banco de trás. Entram no carro, já cansados e stressados, como se fosse no final do dia. Depois, as filas de trânsito (façam como eu k ando de comboio)e qdo chegam ao emprego já deram o k tinham a dar.
Durante o dia, continua o virote e à tarde/noite, repete-se um pouco do cenário matinal. Ora, pra mim, não dá!

Beijos.

Lete disse...

Olá Catarina!
Belo post. Não conhecia o conceito, mas percebo perfeitamente o que se passa à minha volta, pois observo esses comportamentos diariamente.
Mas, eu tento libertar-me disso, aliás, o meu telemóvel é da pré história e normalmente não o uso. Nem sempre ligo o computador, mas ainda assim o ligo mais vezes do que queria, por questões profissionais. Não vivo a correr, porque escolho o meu lazer e as pessoas com quem quero relacionar-me, sendo que o mais importante tenho perto de mim. Acho que as tecnologias, as redes sociais consomem demasiado tempo que não tem qualidade nenhuma, nem torna as pessoas mais felizes nem mais próximas (apenas as iludem nesse sentido). Faz-me impressão em locais de trabalho, as pessoas estarem de telemóvel na mão, a jogar ou a conversar, mas quando na realidade se encontram nem um sorriso esboçam e já estão cheias de vontade para ir para outro sítio ou pegar de novo no telefone. Enfim, "somos" uns insatisfeitos à procura de estímulos para não sei o quê, quando afinal o melhor está dentro de nós e nas relações que estabelecemos com quem está perto (família, amigos). E jamais me passou pela cabeça fazer tudo ao mesmo tempo, não sou capaz, saber esperar faz parte da calma, da pacificação que preciso para o meu dia correr bem e digo muitas vezes aos meus alunos que não se pode ter tudo de uma vez, que saber esperar é uma virtude...
Ai, agora não me calava, pois este tema dava pano para mangas, oh se dava!
Resumindo: viver com simplicidade, de forma ecológica e refletir/pensar muito, ter tempo para pensar. E depois alimentar as verdadeiras amizades e os amores que connosco (con)vivem. É assim que tento ser e que tento viver...
Beijinho grande, obrigada por esta pequena relfexão.

Mimirabolante disse...

Oi, Catarina H.
Primeiro muito obrigada por passar por lá e deixar tanto carinho e tanta sabedoria.
Sensibilidade é tudo.
Quanto a essa Síndrome, já havia lido sobre ela e confesso que convivo com muitas pessoas assim.
Procuro desacelerar tbm ,o máximo que posso e viver bem.
Amiga, muito obrigada pelo seu carinho e apoio !!!
Mil beijocassssssssssssss

Olinda Melo disse...


Olá, Catarina
É bem verdade. Aceleramos até mais não poder e o resultado é entrarmos em falência completa. Não conhecia o SPA mas reconheço muito bem a lista dos seus sintomas. E diz bem: O importante é tomarmos consciência disso. Acredito que poderemos, se o quisermos e tivermos a ajuda necessária, despoluir a mente e viver uma vida mais sã.
Bj
Olinda

O Prazer da Cozinha disse...

Fantástico post.
Não conhecia o conceito mas este texto deixou-me a pensar.
Obrigada por isso.
Beijinhos
Cláudia

Decorações pra Corações disse...

Caramba!!!

Eu sou extremamente ansiosa, mas nunca pensei que podia sofrer alguma síndrome.
Agora que tenho consciência é melhor desacelerar um pouco.
Muito obrigada pelas informações valiosas.

Beijos
Thaís

P.A. Santos disse...

Já sofri com SPA, mas hoje, graças a Deus, sei dar valor ao que REALMENTE tem valor e deixar as coisas mesquinhas paratrás.
:)

M. disse...

Bem preciso de mandar parar esta minha cabeça!
Beijinhos

Cristina Oliveira disse...

É mesmo um mal generalizado, mas felizmente cada vez mais se fala no assunto!
Eu para o evitar leio ficção, cuido da horta e das flores e ao arrumar a casa ponho música que me faz pensar em nada. Recentemente, brincar com o meu filho também ajuda :)